Go to the content
or

Logo noosfero

Full screen
 RSS feed

Blog

April 15, 2011 0:00 , by Colivre.net - | No one following this article yet.

Inscrições abertas para o VI Encontro de Contadores

August 19, 2016 19:46, by Portal Bahia Cooperativo - 0no comments yet

avatar-vi-encontro-dos-contadores

O Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado da Bahia – Sescoop/BA, em parceria com o Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia – Oceb, está com as inscrições abertas para o VI Encontro de Contadores, que será realizado nos dias 8 e 9 de setembro de 2016.

O encontro é um dos principais eventos do Sistema na área de contabilidade tem como objetivo aprimorar os negócios cooperativos com foco na melhoria dos processos contábeis e tributários, alinhado às especificidades da Sociedade Cooperativa, além de contribuir para o processo de desenvolvimento, profissionalização e aumento da competitividade desses empreendimentos.

Para realizar as inscrições, basta acessar o portal www.bahiacooperativo.coop.br/eventos/vi-encontro-de-contadores , até o dia 6 de setembro. O evento dispõe de 70 vagas para contadores e técnicos de contabilidades das cooperativas do Estado da Bahia.

 



Lidercoop encerra edição 2016 em Feira de Santana

August 19, 2016 19:16, by Portal Bahia Cooperativo - 0no comments yet

img-20160819-wa0021

A segunda maior cidade da Bahia foi palco, hoje (19), da última edição do Lidercoop em 2016. O encontro de presidentes e outras lideranças de cooperativas, promovida pela OCEB em seis regiões da Bahia, se dispôs a debater esse ano os sistemas de governança e a formação de capital como vetores de desenvolvimento das cooperativas. De acordo com Cergio Tecchio, presidente da OCEB, a escolha desses temas atende à solicitação das próprias cooperativas e converge com o horizonte estratégico de desenvolvimento do setor cooperativista brasileiro.

A presença de cerca de 45 lideranças de cooperativas - representando os ramos crédito, trabalho, agropecuário, saúde e transporte- assegurou um rico debate, em decorrência das palestras de Ranúsio Cunha, diretor geral do Sicoob Coopere (finalista nacional do Prêmio Sescoop de Excelência em Gestão) e que falou sobre governança; e de Cergio Tecchio, sobre formação de capital.

O tema da governança parece ter repercutido de forma destacada no Lidercoop de Feira de Santana. Para Oldonísio Machado, do Sicoob Bonfim, conselheiro fiscal há pouco tempo, o evento trouxe muita informação relevante: “para mim, que estou me inteirando do cooperativismo, foi muito importante para reunir informações sobre as práticas de gestão e governança, de forma que me ajudará na função de fiscalização da cooperativa”. Já para Emerson Santos, gestor da Copercosta, do ramo transporte, o debate “abriu um leque muito grande por compartilhar lições sobre como gerir, como administrar uma cooperativa, enfrentando as divergências e pensamentos diferentes”. Na mesma linha de raciocínio, Giovane Silva, da Redecop, enfatiza o aspecto da transparência e reconhece o trabalho e o exemplo da OCEB, que fez a sua prestação de contas: “é importante fazer com que as cooperativas entendam que a transparência é, também, um processo administrativo”.

O Lidercoop também beneficiou empreendimentos que buscam regularizar sua situação como cooperativas. É o caso que nos relata a senhora Maria de Lurdes, da Copaerb, que reúne produtores agroecológicos de Rui Barbosa: “ainda não fazemos parte da OCEB, mas estamos tratando para que isso aconteça, pois o que a gente precisa muito é da parceria de vocês e do apoio para o desenvolvimento da cooperativa e da sua gestão”.

 



Campanha de arrecadação de agasalhos marca ação do Dia C do Sicoob Crediconquista

August 18, 2016 14:17, by Portal Bahia Cooperativo - 0no comments yet

02

Cooperados e colaboradores do Sicoob Crediconquista participaram no mês de julho de uma campanha de arrecadação de agasalhos para a instituição Casa Lar Manancial de Amor, como ação do Dia de Cooperar – Dia C, realizada em parceria com o Sescoop/BA, que contou com a participação de 70 voluntários e viabilizou a arrecadação de cerca de 500 agasalhos.

De acordo com a gerente do Sicoob Crediconquista, Gabriela Nascimento, a ação foi continuidade de uma atividade iniciada no ano de 2015, onde a cooperativa promoveu a arrecadação de donativos, especialmente roupas e agasalhos, vez que Vitória da Conquista é considerada uma das cidades mais frias do Nordeste Brasileiro.

A entrega dos donativos foi realizada no dia 30 de julho, um momento importante tanto para os beneficiados, quanto para a cooperativa. “O Dia C possibilita a ampliação e o fortalecimento dessas ações que transformam a comunidade em que estamos inseridos, promovendo mudanças e fazendo a diferença”, conclui a gerente.

Confira abaixo as imagens desta ação: 



Cooeduc Eunápolis realiza campanha de arrecadação de donativos para instituições beneficentes

August 18, 2016 13:42, by Portal Bahia Cooperativo - 0no comments yet

img-3951

A Cooperativa Educacional de Eunápolis – Cooeduc realizou no dia 13 de agosto uma campanha que envolveu alunos, pais de alunos e professores, para a arrecadação de donativos para as instituições beneficentes Recanto dos Idosos e a Creche Irmã Terezinha, como Ação do Dia C.

A ação que foi realizada em parceria com o Sescoop/BA, mobilizou toda a comunidade e viabilizou a arrecadação de mais de 2900 itens entre produtos de higiene pessoal e alimentos não perecíveis.

Adilson Correia, diretor pedagógico da Cooeduc, afirma que o Dia C é um momento chave da cooperativa educacional, onde os princípios e valores ensinados na instituição, são postos em prática. “Tivemos a oportunidade de demonstrar solidariedade, praticar a ajuda mútua e conscientizar nossos educandos do papel da igualdade. Portanto, não só falamos desses princípios e valores, mas demonstramos na prática o que é cooperativismo”, completa Adilson.

Confira abaixo algumas imagens desta ação: 



Presidente do Sistema OCB fala sobre o cenário do agronegócio no Brasil

August 17, 2016 20:29, by Portal Bahia Cooperativo - 0no comments yet

marcio-freitas2

Em 4 de julho foi celebrado o Dia Internacional do Cooperativismo e na edição julina da Revista Coopavel trouxe uma entrevista com o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas. Agropecuarista e cooperativista há mais de 30 anos, é natural de Patrocínio Paulista, interior de São Paulo (SP) e graduado em Administração pela Universidade de Brasília (UnB). A paixão pela agricultura e pelo cooperativismo vem de família, herança de Rubens de Freitas, seu pai e exemplo de vida.

Sua participação direta no setor teve início em 1994, presidente da Cocapec e da Credicocapec. Entre 1997 e 2001 esteve à frente da unidade estadual de São Paulo (Ocesp). Depois atuou como presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop).

Em 2005 assumiu a presidência da Confederação Nacional das Cooperativas (CNCoop) e está na presidência da Organização das Cooperativas dos Países de Língua Portuguesa (OCPLP), desde 2010.

 

Confira abaixo a entrevista:

Revista Coopavel -O PIB brasileiro em 2015 foi o pior dos últimos 25 anos, fechando o ano com 3,8% negativo, já o agronegócio cresceu 1,8% em relação ao ano anterior. Na sua opinião quais ações são necessárias para manter o agronegócio em crescimento?

 

Márcio de Freiras- Para que o agronegócio brasileiro continue contribuindo com a economia nacional, é necessário que sejam retomados os investimentos do setor, pois por mais que o produtor tenha convicção na sua atividade, o ambiente instável em que estamos inseridos, econômica e politicamente, o coloca em estado de alerta. Podemos elencar rapidamente três medidas que são fundamentais para a sustentabilidade do setor nesse contexto:

a) Políticas para a garantia da produção e da renda – Não podemos retroceder na política de crédito rural e financiamento para a produção. Além do volume e acessibilidade aos recursos, que devem acompanhar os crescentes custos de produção, é importante que tenhamos um Plano Agrícola Plurianual, incluído em uma Política de Estado, reduzindo as incertezas e garantindo a segurança e previsibilidade necessários para o desenvolvimento do setor. Também são necessários avanços na política de seguro rural, para que o mesmo seja efetivamente um instrumento de mitigação de riscos à produção.

b) Políticas comerciais – Precisamos ser mais agressivos no acesso e abertura de mercados externos, como o Mercosul, seja individualmente ou em blocos, utilizando a exportação como uma ferramenta de expansão e crescimento, não perdendo de vista a importância de que tenhamos estratégias para transpor barreiras tarifárias e sanitárias. É também de suma importância acelerarmos os investimentos públicos e privados em infraestrutura de transporte, visando uma diminuição de custos logísticos.

c) Avanços tecnológicos e de processos – O Brasil é detentor de uma das mais avançadas tecnologias de produção agropecuária do mundo e protagonista na criação e desenvolvimento de sistemas de produção em áreas tropicais. Sendo assim é imprescindível a garantia de investimentos públicos em pesquisa e tecnologia para o setor, fundamentalmente por meio da Embrapa. Para que continuemos avançando na velocidade que o mercado global exige, também é necessária a modernização dos conceitos e processos de nossos marcos regulatórios, como regulamentos de inspeção industrial e registro de insumos.

 

Revista Coopavel - Para o senhor, o Plano Safra 2016/2017 é suficiente para garantir o pleno desenvolvimento da agricultura brasileira?

 

Márcio de Freiras - Ao anunciar o Plano Agrícola e Pecuário 2016/2017, mais uma vez o governo sustentou os fluxos de financiamento de custeio, aquém das necessidades do setor. Do total anunciado, mais de 30% são recursos livres. A estratégia adotada pode ser compreensível visto que manter recursos para rodar a safra faria mais sentido do que ampliar níveis de investimento. O problema é que isso não pode se tornar uma regra, uma vez que as linhas de investimento são “mais nobres” e fundamentais na eficiência de alocação dos recursos, podendo, talvez em um prazo não tão distante, restringir o processo de crescimento do setor agropecuário.

Em relação à elevação das taxas de juros, ponto de maior descontentamento do setor tanto no custeio e comercialização e mais proporcionalmente nos investimentos, caracteriza-se uma estratégia não muito coerente com a realidade, especialmente pelas contribuições do agronegócio brasileiro para nossa economia.

E dependendo das frustrações de safra cada vez mais presentes em regiões e culturas de grande importância e pelos elevados custos de produção, haveria a possibilidade de atravessarmos uma fase de intenso endividamento e a necessidade de repactuação das dívidas rurais. Não raro é ouvirmos que a inadimplência do setor começa a crescer, aumentando assim os níveis de alerta.

Pelo fato de as cooperativas agropecuárias serem legítimas beneficiárias dos recursos de crédito rural, uma vez que ela é a própria extensão dos interesses dos produtores rurais, temos participado de forma ativa dos fóruns de discussão do setor junto ao poder público, veiculando nossas proposições de política agrícola, com ampla base técnica, contando sempre com o apoio de nossas cooperativas.

É importante ressaltarmos que, assim como mencionado anteriormente, a política de crédito rural é apenas um dos componentes necessários para o contínuo desenvolvimento do agronegócio nacional, onde a adoção de diferentes medidas estruturantes é fundamental para a garantia de desenvolvimento constante do setor.

 

Revista Coopavel - A logística é um dos principais gargalos para escoar as safras do Brasil, na sua opinião, qual seria a melhor estratégia?

 

Márcio de Freiras - Primeiro, é preciso acelerar os investimentos públicos e privados em infraestrutura de transportes por meio do Programa de Investimentos em Logística. Além disso, urge ampliar e facilitar o acesso às linhas de crédito que possibilitem a construção de armazéns e, claro, melhorar os modais brasileiros de forma a assegurar que o produtor tenha opções para escoar sua produção.

 

Revista Coopavel - A burocracia é outro grande entrave no desenvolvimento do agronegócio brasileiro, quais seriam os caminhos para solucionar este problema?

 

Márcio de Freiras - Sem dúvida alguma, burocracia é uma palavra que nem deveria existir mais no Brasil. Sobre isso, há que se reconhecer o trabalho, por exemplo, do Ministério da Agricultura que reduziu bastante o fluxo dentro de seus processos, encurtando um pouco o caminho entre produtor e servidor. A solução é, sem dúvida, promover as alterações necessárias para evitar o interminável vai e vem de documentos ou retrabalho por parte dos profissionais de dentro e de fora do setor público. Isso só gera descrédito e insatisfação. Acredito que a máquina pública brasileira, ao rever seus processos, perceberá tudo aquilo que pode ser otimizado. É evidente que não podemos prescindir de organização, mas isso não pode ser um dificultador para o produtor brasileiro.

 

Revista Coopavel - Um dos desafios da globalização mundial é produzir alimentos para o mundo. Na sua visão o Brasil está preparado para essa demanda? Por quê?

 

Márcio de Freiras - Temos um grande desafio pela frente. A cada dia, cresce o número de pessoas no mundo e em breve já seremos 9 bilhões, segundo indica a Organização das Nações Unidas (ONU). Com essa projeção, surgem diversos questionamentos. A alimentação é, certamente, um dos pontos que mais chamam a atenção. Natural, então, nos perguntarmos como fazer, por exemplo, para combater a fome, garantindo a segurança alimentar e a produção de alimentos.

Este é um desafio de todos os governos, com certeza, mas também da agricultura mundial, e nós, brasileiros, temos um papel importante nesse cenário. Afinal, sabemos que o Brasil é um grande produtor de alimentos. Só em grãos, estamos cada vez mais próximos da marca de 200 milhões de toneladas, de acordo com estudos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Para se ter ideia, o agronegócio, que se refere ao conjunto de atividades vinculadas à agropecuária, responde por uma média superior a 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Sem dúvida, os agricultores brasileiros se destacam pelo volume produzido, mas, também, pelo uso eficaz e sustentável da terra, conseguindo produzir mais em áreas menores. Estamos falando de todos os produtores brasileiros. E muitos deles estão organizados em cooperativas, trabalhando conjuntamente para ganhar mais força e espaço no mercado e, para isso, contam com um suporte importante – dentro e fora da porteira. São serviços que vão desde o beneficiamento e o armazenamento à assistência técnica e à agroindustrialização. Vale ressaltar que as cooperativas funcionam como verdadeiros centros de segurança para os seus cooperados.

Continue lendo a entrevista, clicando aqui, e avançando até a página 24.

Fonte: OCB