Ir al contenido
or

Logo noosfero

Pantalla completa
 Noticias RSS

Blog

abril 15, 2011 0:00 , por Colivre.net - | No one following this article yet.

OCEB fecha parceria com Instituição de Ensino

febrero 14, 2012 3:00, por Portal Bahia Cooperativo - 0no comments yet

O Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia - OCEB firmou parceria com o Instituto Nossa Senhora da Assunção - INSA tendo como principal objetivo a concessão de 20% de desconto nas parcelas mensais dos cursos da Educação Infantil, Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio.

O convênio irá beneficiar cooperados, funcionários de cooperativas, assim como dependentes destes. No entanto, as cooperativas precisam estar registradas e adimplentes na OCEB.

Os beneficiários poderão solicitar, junto ao INSA, a aplicação do desconto celebrado pelo convênio. Para isso, é necessário comprovar vínculo entre a cooperativa de origem e a OCEB, bem como o vínculo entre ele a cooperativa de origem. No ato da matrícula, os seguintes documentos deverão ser apresentados:
  • Declaração de regularidade emitida pela OCEB para a cooperativa; e
  • Declaração da cooperativa de vínculo entre ela e o beneficiário que pretende o desconto.
Para usufruir do desconto no INSA, os interessados deverão participar do processo seletivo de matrícula.



OCEB fecha parceria com Instituição de Ensino

febrero 14, 2012 1:00, por Colivre.net - 0no comments yet

O Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia - OCEB firmou parceria com o Instituto Nossa Senhora da Assunção - INSA tendo como principal objetivo a concessão de 20% de desconto nas parcelas mensais dos cursos da Educação Infantil, Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio.

O convênio irá beneficiar cooperados, funcionários de cooperativas, assim como dependentes destes. No entanto, as cooperativas precisam estar registradas e adimplentes na OCEB.

Os beneficiários poderão solicitar, junto ao INSA, a aplicação do desconto celebrado pelo convênio. Para isso, é necessário comprovar vínculo entre a cooperativa de origem e a OCEB, bem como o vínculo entre ele a cooperativa de origem. No ato da matrícula, os seguintes documentos deverão ser apresentados:
  • Declaração de regularidade emitida pela OCEB para a cooperativa; e
  • Declaração da cooperativa de vínculo entre ela e o beneficiário que pretende o desconto.
Para usufruir do desconto no INSA, os interessados deverão participar do processo seletivo de matrícula.



Programa ABC do governo federal traz benefícios para as cooperativas agropecuárias

febrero 9, 2012 3:00, por Portal Bahia Cooperativo - 0no comments yet

Com o intuito de capacitar técnicos de órgãos públicos, bancos e Federações de Agricultura e Pecuária para orientar produtores rurais sobre os procedimentos para obtenção das linhas de financiamento do Programa Agricultura de Baixo Carbono (Programa ABC), a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) realizou em Salvador, nesta terça-feira (07/02), o Seminário Agricultura de Baixo Carbono (ABC).

A Coordenadora Administrativa do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia (OCEB), Geisa Félix, participou da capacitação. “O seminário foi interessante principalmente pelos questionamentos levantados pelo público. Além disso, o Programa incentiva o desenvolvimento das cooperativas”, ressalta.

Em 2010, o governo federal criou o Programa ABC para incentivar a adoção de técnicas agrícolas sustentáveis e reduzir os impactos do aquecimento global. Para isso, o programa prevê o financiamento de projetos que estejam enquadrados em seis diferentes iniciativas: Plantio direto na Palha; Fixação Biológica do Nitrogênio; Recuperação de Áreas Degradadas; Plantio de Floresta; Integração Lavoura Pecuária – Floresta; e Tratamento de resíduos animais.

Cooperativas e produtores rurais poderão contar com limite de financiamento de R$ 1 milhão e taxas de juros de 5,5% ao ano, com prazo de pagamento de 5 a 15 anos. Os recursos para investimentos estão contemplados no Plano Agrícola e Pecuário 2011/2012.

O Programa é uma aposta do governo para desenvolver no Brasil uma nova agricultura sustentável, que reduza o aquecimento global e a liberação de gás carbônico na atmosfera. Além disso, é uma oportunidade para alinhar desenvolvimento econômico e social, através da promoção do cooperativismo.

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para obter financiamento através do Programa ABC, é necessário seguir as seguintes instruções:

1º - Procure a sua agência bancária para obter informações quanto à aptidão ao crédito, documentação necessária para o encaminhamento da proposta e garantias.

2º - Consulte um profissional habilitado para elaboração de projeto técnico. A proposta deve ter, obrigatoriamente, a identificação do imóvel e da área total. Também precisa constar no projeto o croqui descritivo e histórico de utilização da área a ser beneficiada. O produtor precisa apresentar comprovantes de análise de solo e da respectiva recomendação agronômica. Outro item importante é o ponto georreferenciado por GPS ou outro instrumento de aferição na parte central da propriedade rural. Por último, não deixe de incluir no projeto o plano de manejo agropecuário, agroflorestal ou florestal, conforme o caso, da área.

3º - Apresente a proposta de financiamento, com os documentos informados pela agência bancária e o projeto técnico. O produtor precisa comprovar a disponibilidade de renda para quitar as parcelas do financiamento ao projeto que contemple recomposição e manutenção de áreas de preservação permanente e reserva legal.

4º - Ao final de cada quatro anos, contados da data de liberação da primeira parcela até a liquidação do financiamento, é preciso apresentar relatório técnico com informações sobre a implementação do projeto e a caracterização da área. O projeto precisa ser assinado por profissional habilitado, de instituição pública ou privada, conforme modelo definido pelo Ministério da Agricultura.

O que é agricultura de baixa emissão de carbono? Por que incentivar a agricultura de baixa emissão de carbono? Quais as vantagens em aderir ao Programa ABC? Estes e outros questionamentos poderão ser respondidos através do Guia de Financiamento, disponível neste link.


Programa ABC do governo federal traz benefícios para as cooperativas agropecuárias

febrero 9, 2012 1:00, por Colivre.net - 0no comments yet

Com o intuito de capacitar técnicos de órgãos públicos, bancos e Federações de Agricultura e Pecuária para orientar produtores rurais sobre os procedimentos para obtenção das linhas de financiamento do Programa Agricultura de Baixo Carbono (Programa ABC), a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) realizou em Salvador, nesta terça-feira (07/02), o Seminário Agricultura de Baixo Carbono (ABC).

A Coordenadora Administrativa do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia (OCEB), Geisa Félix, participou da capacitação. “O seminário foi interessante principalmente pelos questionamentos levantados pelo público. Além disso, o Programa incentiva o desenvolvimento das cooperativas”, ressalta.

Em 2010, o governo federal criou o Programa ABC para incentivar a adoção de técnicas agrícolas sustentáveis e reduzir os impactos do aquecimento global. Para isso, o programa prevê o financiamento de projetos que estejam enquadrados em seis diferentes iniciativas: Plantio direto na Palha; Fixação Biológica do Nitrogênio; Recuperação de Áreas Degradadas; Plantio de Floresta; Integração Lavoura Pecuária – Floresta; e Tratamento de resíduos animais.

Cooperativas e produtores rurais poderão contar com limite de financiamento de R$ 1 milhão e taxas de juros de 5,5% ao ano, com prazo de pagamento de 5 a 15 anos. Os recursos para investimentos estão contemplados no Plano Agrícola e Pecuário 2011/2012.

O Programa é uma aposta do governo para desenvolver no Brasil uma nova agricultura sustentável, que reduza o aquecimento global e a liberação de gás carbônico na atmosfera. Além disso, é uma oportunidade para alinhar desenvolvimento econômico e social, através da promoção do cooperativismo.

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para obter financiamento através do Programa ABC, é necessário seguir as seguintes instruções:

1º - Procure a sua agência bancária para obter informações quanto à aptidão ao crédito, documentação necessária para o encaminhamento da proposta e garantias.

2º - Consulte um profissional habilitado para elaboração de projeto técnico. A proposta deve ter, obrigatoriamente, a identificação do imóvel e da área total. Também precisa constar no projeto o croqui descritivo e histórico de utilização da área a ser beneficiada. O produtor precisa apresentar comprovantes de análise de solo e da respectiva recomendação agronômica. Outro item importante é o ponto georreferenciado por GPS ou outro instrumento de aferição na parte central da propriedade rural. Por último, não deixe de incluir no projeto o plano de manejo agropecuário, agroflorestal ou florestal, conforme o caso, da área.

3º - Apresente a proposta de financiamento, com os documentos informados pela agência bancária e o projeto técnico. O produtor precisa comprovar a disponibilidade de renda para quitar as parcelas do financiamento ao projeto que contemple recomposição e manutenção de áreas de preservação permanente e reserva legal.

4º - Ao final de cada quatro anos, contados da data de liberação da primeira parcela até a liquidação do financiamento, é preciso apresentar relatório técnico com informações sobre a implementação do projeto e a caracterização da área. O projeto precisa ser assinado por profissional habilitado, de instituição pública ou privada, conforme modelo definido pelo Ministério da Agricultura.

O que é agricultura de baixa emissão de carbono? Por que incentivar a agricultura de baixa emissão de carbono? Quais as vantagens em aderir ao Programa ABC? Estes e outros questionamentos poderão ser respondidos através do Guia de Financiamento, disponível neste link.


2012 - Ano Internacional das Cooperativas: desafios e oportunidades

febrero 8, 2012 1:00, por Colivre.net - 0no comments yet

"Cooperativas constroem um mundo melhor". Este é o slogan que guiará as ações em 2012, declarado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como Ano Internacional das Cooperativas. A comemoração foi instituída pela Resolução A/RES/64/136, fruto da estreita relação entre a ONU e a Aliança Cooperativa Internacional (ACI), e tem como principal objetivo buscar o desenvolvimento econômico sustentado, a mitigação da pobreza e a intercooperação.

Ao declarar 2012 como Ano Internacional das Cooperativas, a ONU reconhece a doutrina como instrumento para geração de renda e redução da pobreza, reforçando seu compromisso com o desenvolvimento global. "A maior oportunidade que estamos tendo é a de divulgar a importância do cooperativismo na sociedade. Hoje o Brasil ocupa o 6º lugar na economia mundial, mas o desenvolvimento social não acompanha esse crescimento porque ele é vertical. O cooperativismo é o caminho para este problema, visto que é uma ferramenta que busca associar desenvolvimento econômico e social", declara Roberto Viana do Ramo Trabalho.

Com a atenção voltada para as Cooperativas, a esperança de resolver antigos entraves toma conta de pessoas como Marcos Palma, do Ramo Trabalho. "Quero manter a esperança que o cooperativismo do trabalho conseguirá o êxito desejado, que o Projeto de Lei 4622/2004 seja votado em caráter de urgência. Precisamos que as cooperativas estejam unidas para buscar o poder público e solucionarmos este problema", ressalta.

A ONU sugere ações ligadas ao empoderamento feminino, à inclusão de jovens no mercado de trabalho, ao desenvolvimento do empreendedorismo e da educação. "Já percebemos que estamos no caminho certo com o cooperativismo e devemos mostrar aos diversos poderes que existimos. No ramo educacional precisamos construir uma agenda para contemplar a estruturação dos empréstimos, unificar a disciplina do cooperativismo para as escolas e buscar meios para reconhecer as cooperativas junto ao PROUNI", informa Alaerte Arônia, do Ramo Educacional.

O Ano Internacional das Cooperativas é uma forma da ONU encorajar os governos para estabelecer políticas, leis e regulamentos que levam à criação, crescimento e sustentabilidades das cooperativas. "O governo baiano tem interesse no desenvolvimento do cooperativismo e isso está expresso na lei estadual do cooperativismo e no decreto que a regulamenta", completa Roberto Viana.

O cooperativismo está diretamente relacionado a outra temática, pauta dos debates mais recentes: a sustentabilidade. "O ano internacional acontece num momento em que o mundo precisa perceber o cooperativismo. É um alerta para essa sociedade de consumista que apesar de todo desenvolvimento tecnológico é preciso ter sustentabilidade e cooperação. Precisamos ter um consumo consciente, ecologicamente correto. É uma forma de avaliarmos nossa vida no mundo. O que eu mais quero é que a mensagem da cooperação seja alcançada. Se conseguirmos isso teremos alcançado muito", aborda Ranúsio Cunha, do Ramo Crédito.

Dentre os objetivos da ONU em 2012 está o de aumentar a consciência pública sobre as cooperativas e os benefícios aos seus membros, a contribuição para o desenvolvimento social e econômico e a integração com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. "As metas já foram estabelecidas. Precisamos trabalhar para alcança-las. A luta ainda é grande, precisamos continuar a buscar recursos para viabilizar os projetos. Temos que ter criatividade, perseverança e competência. O governo já se mostrou favorável ao cooperativismo. Precisamos estar sempre presente cobrando, atuando junto ao governo para que o apoio seja efetivado', conclui Paulo Colavolpe, do Ramo Saúde.